Arquivos Ciúmes - Elídio Almeida

Ciúmes

Frequentemente, homens e mulheres me procuram no consultório para entender por que estão com dificuldade para iniciar um relacionamento sério. Todos são unânimes em dizer que, hoje em dia, é muito tranquilo conseguir um parceiro para uma transa. No entanto, percebem que não tem sido tão fácil encontrar alguém para construir uma relação sólida e duradoura. Além disso, essas pessoas contam que muitos dos que seriam candidatos a um namoro ou casamento já viveram outros relacionamentos. Esse fato gera uma dose de insegurança e provoca um questionamento:  Pessoas que já tiveram outro relacionamento são mais problemáticas?

Se você já se deparou com esse dilema, precisamos conversar. Ainda hoje, vivemos uma ilusão de casarmos com o nosso primeiro namorado ou namorada e vivermos juntos até a velhice. Porém, quase nunca essa fantasia se torna uma realidade. Lidar com essa frustração tem importunado muita gente.

Desse modo, é importante você saber que um relacionamento anterior não necessariamente representará problemas na relação atual. Muitas vezes, isso não passará de uma experiência vivida por você ou pelo seu parceiro ou parceira. Noutros casos, a relação anterior será apenas uma característica do histórico com que vocês precisarão conviver no decorrer da relação atual, especialmente se a relação passada tiver gerado filhos. Até já escrevi um post aqui no blog sobre essa questão. Veja aqui. Com a finalidade de entendermos mais sobre esse assunto, hoje vamos discorrer um pouco mais sobre esse tema.

Pessoas que já tiveram outro relacionamento são mais problemáticas?

Cada casal é único e toda relação gera algum problema durante a convivência. Por isso, não existe regra para o surgimento dos problemas no casamento. Mesmo cientes disso, precisamos compreender de onde vem esse temor em relação às pessoas que já tiveram relacionamentos.

A explicação é simples. As pessoas são egoístas e inseguras. Diante disso, elas não conseguem lidar com tranquilidade com a experiência e a bagagem que o namorado ou namorada traz da relação anterior. Ou seja, essas pessoas não conseguem enxergar que uma parcela do problema está nelas mesmas. Elas até gostam e possuem afinidades com o companheiro ou companheira, mas o comportamento egoísta não as deixam viver em paz com o passado do outro. Isso contribui para não aceitarem a outra pessoa como ela é. Ou seja, não conseguem conviver com o histórico que a outra pessoa traz de experiências e relações passadas. Pessoas assim usam do artifício de culpabilizar o passado do outro pelos conflitos da relação atual.

Claro que pode ocorrer de o passado realmente trazer problemas para o presente. No entanto, a imensa maioria dos problemas reside no fato de transformar esse passado num conflito que poderia não existir se você não se sentisse inseguro ou ameaçado com ele.

O que podemos aprender com as relações anteriores?

Toda experiência nos traz aprendizados. Por conta disso, sempre vamos encontrar casais que trazem bons ou maus elementos da experiência dos relacionamentos anteriores.

Obviamente que os aprendizados são colecionados também por observação e seleção de coisas que queremos construir ou banir no nosso relacionamento. Esses referenciais podem vir da experiência de terceiros: nossos pais, amigos, casais e relacionamentos a que temos acesso. Seja qual for a forma com que outras relações interfiram na sua vida afetiva atual, isso demonstra que várias pessoas iniciam um relacionamento sabendo exatamente aquilo que querem. Mas podem estar deixando de conhecer o outro antes de firmar compromisso ou criar expectativas.

Conhecer bem o parceiro ou parceira é fundamental.

Compreender suas características pessoais, e também as do outro, levará você a avaliar se possui repertório para lidar com a história trazida da relação anterior. Tentar desconstruir a história do outro ou lidar como se ela nunca tivesse existido costuma não dar certo. Minha experiência como terapeuta de casais mostra que quanto mais os pares se conhecem e se aceitam, menos problemas eles enfrentam. Isso se aplica a todas as fases da relação.

Em vista disso, uma dica. Quando você se questionar se a relação dará certo ou não somente pelo fato de o outro já ter tido uma experiência, pergunte a si mesmo se você tem repertório para aceitar e lidar com esse passado. Seguindo esse passo, você perceberá que as possibilidades de encontrar alguém para um relacionamento sério aumentarão. Com o avançar da relação, você verá que, quando os problemas da relação surgirem, você saberá dosar o impacto do passado frente aos problemas originados na relação atual.

Portanto, não são as pessoas que já tiveram outro relacionamento que são mais problemáticas. Às vezes, as histórias do passado e do presente se fundem, ressaltando nosso egoísmo e insegurança. Conhecer é o melhor remédio. Se a opção for aceitar, com certeza, doerá menos.

Muitas pessoas querem iniciar uma Terapia de Casal, mas sempre surgem algumas dúvidas. Frequentemente, recebo algumas perguntas dos leitores do blog sobre esse tema. Saber se os homens são mais resistes à terapia de casal é sempre um questionamento recorrente. Por isso, resolvi escrever este post para sabermos se isso é um mito ou uma verdade.

Os homens são mais resistes à terapia de casal?

Primeiramente, percebo que o questionamento em si parece dizer muito sobre essa situação. Caso os homens não fossem tão resistentes à terapia de casal, esse comportamento não chamaria tanto a atenção e não geraria esse tipo de pergunta. Ou seja, para que uma pessoa venha a elaborar um questionamento desse tipo, certamente ela pode ter encontrado dificuldade para convencer seu parceiro a ingressar num processo terapêutico para ajustar a relação.

terapia de casal em salvador Elídio Almeida psicólogo homens são mais resistes à terapia de casal

Ainda não encontrei uma pesquisa mais ampla que traga dados sobre quem têm mais resistência à terapia de casal, se os homens ou as mulheres. Porém, posso falar a partir da minha prática clínica e experiência como terapeuta de casal. Percebo que as mulheres procuram mais esse tipo de terapia. Sim, na maioria das vezes, são elas que tomam a iniciativa de discutir a relação com o intermédio de um profissional. E mesmo antes da terapia, também são elas que – na maioria das vezes – procuram as mais diversas formas de resolver os problemas do namoro ou casamento.

Terapia de casal ou terapia individual para resolver os problemas da relação?

Os homens são pioneiros em buscar a terapia individual. Em tese, quando se trata de questões voltadas ao relacionamento afetivo, os homens são motivados pelos mesmos interesses que levam as mulheres a buscar ajuda profissional para esse fim. No entanto, eles procuram resolver as questões sem a participação de suas companheiras. Isso pode significar que – culturalmente – as mulheres têm mais habilidades para compartilhar sentimentos e emoções.

Dessa forma,  elas demonstram ser mais participativas na busca de solução para os problemas do relacionamento. Os homens se revelam mais tímidos para discutir a relação com suas companheiras. Por isso, nessa questão de mitos e verdades, devemos analisar sempre as particularidades de cada caso. Esta análise deve ser feita sempre com muita cautela.

terapia de casal em salvador Elídio Almeida psicólogo

As mulheres se cuidam mais.

Na verdade, as mulheres procuram mais os serviços de saúde e cuidados pessoais. Isso também se reflete nas questões emocionais, de saúde mental e melhorias do relacionamento. Muito embora eles procurem mais a terapia individual e elas prefiram a terapia de casal, observo que quando eles iniciam o tratamento em conjunto, essa questão de resistência e diferença de gênero perde espaço para a conquista da reconstrução da relação.

Por isso, sempre recomendo àqueles que estão resistentes à terapia de casal a fazer ao menos a primeira sessão. Isso ajuda a analisar melhor como funciona o trabalho. Conhecer é sempre o melhor caminho para tomar decisões.

Como funciona a terapia de casal? Essa é uma pergunta que ouço com muita frequência. Sua recorrência demonstra que os casais que precisam de terapia pouco conhecem essa modalidade de tratamento. Além disso, evidencia como podem estar assinto os psicólogos que oferecem esse serviço para ajudar nos relacionamentos . Alguns não informam aos seus clientes como o tratamento é feito. No intuito de melhorar esse aspecto e informar sobre como funciona a terapia de casal, vou abordar esse assunto no post de hoje.

Como é comum em várias áreas do conhecimento, a prática profissional em Psicologia também tem múltiplas possibilidades de compreensão e atuação na questão dos relacionamentos e da terapia de casal. Por essa razão, não existe um método padrão que determina uma única linha de trabalho aos psicólogos.

Casal-em-Dúvida como funciona a terapia de casal? Psicólogo em salvador.

Isso significa dizer que você pode encontrar instituições e pessoas oferecendo de tudo um pouco, muito embora nem todos cumpram com os referenciais éticos necessários. Alguns, inclusive, adotam condutas que são completamente rechaçadas pelo Conselho Federal de Psicologia e pela ética da profissão. Por isso, é importante ser criterioso e conhecer bem o perfil do terapeuta que vai tratar as questões do seu relacionamento.

Dito isso, fico mais à vontade para falar como funciona a terapia de casal em meu consultório e na minha prática e experiência profissional. Sou especialista em terapia clínica familiar. Isso significa dizer que, além da minha formação em Psicologia – na qual desenvolvi as habilidades para analisar os comportamentos humanos, especializei-me em compreender como é o funcionamento das relações afetivo-amorosas e os desdobramentos nos relacionamentos entre casais. Por isso, ofereço atendimento às famílias, terapia de casal e individual.

Como funciona a terapia de casal?

A terapia de casal, dentro da perspectiva clínica, funciona como um lugar de acolhimento. Nele é oferecido um ambiente seguro, no qual o casal pode colocar as questões que estão prejudicando a relação. A partir dessa compreensão, elaboramos e construímos possíveis saídas para os impasses, dificuldades e sofrimentos vividos pelo casal.

como funciona a terapia de casal? Psicólogo em salvador. Psicólogo

Ou seja, é na terapia que o casal contará com o suporte adequado para abordar as questões importantes do relacionamento. Com a ajuda do terapeuta, o casal irá desenvolver as habilidades para compreender as causas e consequências dos sofrimentos. Isso ajudará na construção de novos repertórios, análises e reflexões sobre como o outro se sente naquelas situações de conflito.

Qual o papel do terapeuta de casal?

O terapeuta é um facilitador das conversas e diálogos. Quando um casal procura a terapia, significa que tudo já foi tentado para resolver os problemas daquela relação. É como se eles já tivessem tentado várias ações e pouco a pouco foram perdendo força; chegando até a pensar em desistir. Ao procurar ajuda, o casal já sabe a dimensão dos problemas. Eles sabem muito bem como tem sido difícil conversar ou resolver tais questões. Como já abordei aqui no blog, a terapia de casal é vista como a última tentativa para salvar o casamento.

como funciona a terapia de casal? Psicólogo em salvador. Elidio Almeida

Desse modo, o terapeuta de casal colabora com seu conhecimento e experiência para auxiliar o casal a compreender o que estão passando. As causas, consequências e soluções para as questões são investigadas e apontadas. A principal intervenção do terapeuta de casal é por meio de perguntas para clarear as situações, trabalhar as raízes dos problemas e trazer insights às dificuldades vividas pelo casal.

Por isso, sempre que me perguntam como funciona a terapia de casal, respondo que é um excelente investimento para identificar as causas das crises no relacionamento. Por meio da terapia de casal, é possível oferecer as ferramentas para a construção de diálogos honestos. Atitudes funcionais, expectativa de mudanças comportamentais contribuem para a resolução dos conflitos do relacionamento. Isso faz com que o casal saia do circuito fechado dos problemas e caminhe para o equilíbrio saudável do convívio a dois.

Terminar um relacionamento, seja ele um casamento ou um namoro, não é uma tarefa fácil. Por mais doloroso que seja perceber que a relação não faz mais sentido, comunicar a decisão de terminar ao seu parceiro ou parceira  é ainda pior. Não por acaso, esse é um questionamento muito frequente dos meus pacientes: qual a melhor maneira para terminar um relacionamento?

Qual a melhor maneira para terminar um relacionamento? psicólogo em salvador especialista em terapia de casal

Depois de muito sofrimento e tentativas de salvar o casamento ou namoro, ao menos um dos pares conclui que a melhor opção é terminar. Ao atingir esse ponto, as pessoas ficam propensas a seguir dois caminhos preocupantes.

O primeiro deles é procrastinar ainda mais a situação. Mesmo sofrendo e cientes dos fracassos nas várias tentativas de reconciliação e superação, muitas pessoas preferem acreditar que uma mágica irá acontecer. Elas creem que repentinamente algo acontecerá e salvará aquele casamento. Pessoas que agem dessa forma – especialmente num momento de crise, desilusão ou constatação de incompatibilidade amorosa – tendem a cometer os mesmos erros do passado. Ao repetir atitudes e comportamentos, elas sofrem mais e criam um cenário ainda mais drástico para o fim da relação.

O segundo caminho mais comum adotado num momento de término é simplesmente comunicar à outra pessoa que a relação está acabada. Não aguento mais. Está tudo acabado entre a gente, é o que dizem. Essa é pior forma de terminar uma relação. Ainda que os dois já estivessem conscientes da infelicidade vivida pelo casal naquele momento, a decisão foi tomada unilateralmente. Em casos assim, um decide sozinho e o outro apenas é comunicado. Isso, é ultrajante. É completamente injusto e só traz mais sofrimento para todos.

amores-acabados Qual a melhor maneira para terminar um relacionamento? psicólogo em salvador especialista em terapia de casal

Como terminar um relacionamento?

Se o término for realmente o único caminho, existe uma forma mais adequada de se fazer isso. A proposta nesse momento é usar o mesmo modelo geralmente utilizado para se iniciar uma relação: o combinado.

Combinar é algo que o casal precisa fazer até mesmo num momento de separação. Isso significa dizer que, se foi feito um acordo para dar início àquele relacionamento, essa mesma atitude deve ser usada na ocasião do fim. É isso que se espera de pessoas maduras e responsáveis, ainda que o clima seja completamente inverso ao do início.

Ao iniciarem um relacionamento, pessoas maduras e responsáveis falam o que estão sentindo, procuram saber se a outra pessoa sente o mesmo ou algo equivalente e decidem [JUNTAS] dar início ou avançar na relação. A ideia é que isso se repita ao terminar um relacionamento. Expressar os sentimentos e procurar saber o que a outra pessoa sente ou pensa nesse momentos é fundamental. Isso contribui para novamente juntas decidirem sobre o destino daquela relação.

Lógico que fazer isso não é uma tarefa fácil. Por isso, é recomendado que o casal procure ajuda profissional para intermediar esses diálogos. Afinal, num clima ruim, o casal não consegue desenvolver uma conversa franca, expressando adequadamente todos os sentimentos e emoções.

Qual a melhor maneira para terminar um relacionamento? psicólogo em salvador especialista em terapia de casal divórcio

Toda relação precisa terminar?

Não. No entanto, muitas relações ficam sem alternativa, em virtude de as pessoas envolvidas acumularem problemas e tentarem postergar, melhorar ou resolver os conflitos do relacionamento de forma inadequada.

Talvez você não saiba, mas apenas uma pequena parcela dos relacionamentos acabam depois de passarem por uma terapia de casal. Isso nos leva a pensar que muitas relações teriam grandes chances de sucesso se tivessem recorrido a ajuda antes dessas decisões de término abrupto. Inclusive aquelas que optaram pelo caminho da procrastinação ou foram surpreendidas com um comunicado abrupto de término.

Por essa e por outras razões, é sempre fundamental que o casal procure auxílio profissional logo nos primeiros sinais de dificuldades. Investir numa terapia pode garantir que aquela ferida seja estancada ainda quando pequena, bem como que a relação seja ajustada para ter qualidade e vida longa.

Antes de pensar em terminar um relacionamento, pense um pouco na forma como conduzirá isso. Também lembre-se de que a relação não precisa estar por um fio para buscar a terapia de casal.

Um voo cancelado na última sexta-feira vem dando o que falar. Ao ser informado que não poderia chegar em casa naquela noite  devido ao cancelamento do voo, um marido teve a ideia de filmar o comunicado dado pela funcionária da companhia aérea. A atitude parecia demonstrar que o passageiro estava fazendo o registro para uma futura reclamação contra a empresa, mas, para surpresa de todos, ele queria apenas ter provas para apresentar à sua mulher, que, sem o registro, certamente não acreditaria na justificativa do marido; um caso típico de ciúme.

Já falei aqui no blog que ciúme é sinônimo de insegurança no relacionamento. Hoje vou acrescentar um pouco mais de dendê nessa questão. E não é pra menos!

O caso do voo cancelado parece demonstrar muito bem o quão preocupante é a questão do ciúme no relacionamento. E por mais que as pessoas insistam na tese de que o ciúme é prova de amor; fica cada vez mais evidente que ele é o sintoma da insegurança vivenciada nos relacionamentos.

Ao assistir ao vídeo do caso do aeroporto me veio logo três insights:

1 – Esse rapaz já aprontou todas e a mulher não confia em mais nada que ele diga.

2 – Ela deve ser uma mulher exacerbadamente insegura de si ou desse relacionamento.

3 – Ou as duas alternativas acima e nunca saberemos quem veio primeiro, o ovo ou a galinha!

O voo cancelado e o ciúme.

Em meu consultório lido com as questões relacionadas ao ciúme quase que diariamente. Esse, por sinal, é um tema comum nas terapias de casais. A sensação é que há sempre algo a temer e que mesmo nos momentos de aparente tranquilidade, o clima é sempre de uma guerra fria entre o casal.

Voo cancelado ciúme psicólogo em salvador terapia de casal Elídio Almeida

Durante as sessões os casais percebem como vivem em uma pseudo felicidade na qual acreditam que ter (ou dar) o controle é o suficiente para viver bem. No entanto, muitos casais não demoram a notar que esse modo de se relacionar só traz ansiedades, transtornos e insegurança.

O vídeo do voo cancelado não fala de uma prova de amor, como muitos preferem enxergar. Ele parece revelar a rotina de um casal que não conhece a confiança mútua. Ou reflete a angústia e tensão de um relacionamento que pode ruir simplesmente pelo fato de um imprevisto comum a qualquer pessoa. Mesmo assim precisa estar respaldado de provas inquestionáveis.

Em meu trabalho como terapeuta de casal, procuro mostrar aos meus clientes quão satisfatório (e seguro) é vivermos numa relação onde o casal é cúmplice e cultivam a confiança. Infelizmente poucas pessoas conhecem ou convivem em relações em que a própria palavra basta. Ou seja, desconhecem aquela relação em que o sentimento é quem dá o tom da confiança e estabilidade ao casal.

Casais cúmplices e seguros não precisam de vídeos ou qualquer tipo de prova para demonstrar fidelidade. Muito menos temem um voo cancelado ou uma noite fora de casa.

Hoje vou escrever sobre briga de casal, pois comigo não tem essa de “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher“. Existem casais que brigam por praticamente tudo. São crises de ciúmes, uma série de desconfianças, as diferenças entre si e, é claro, muita intolerância. Talvez você também já tenha se perguntado por que estes casais que brigam o tempo todo ainda permanecem juntos, mesmo com tantas diferenças e desentendimentos. Este texto vai lhe ajudar a compreender algumas perspectivas dessa questão.

terapia de casal psicólogo em salvador elídio almeida

Para compreender a razão destes casais permanecerem juntos, devemos tentar vislumbrar além das funções óbvias das brigas. Afinal, se continuam insistindo em uma relação aparentemente ruim e com tantas adversidades, é sinal que alguma coisa boa deve existir no relacionamento para valer o esforço. Vamos pensar sobre alguma delas?

Casal que briga permanece junto?

Quanto tentamos sair do óbvio da briga de casal, pensamos logo que “eles brigam, mas se amam ou se gostam”, não é mesmo? Isso, até poderia estar correto em alguns casos. Ou seja, o que vemos cotidianamente é apenas uma fração daquilo que o casal é, podendo sim existir um sentimento que conecte o casal fazendo com que permaneçam juntos mesmo com a frequência das brigas.

terapia de casal psicólogo em salvador

Casais assim sobrevivem por algum tempo, mas podem se cansar e se separar por conta das mágoas e desgaste da relação provocados pelos desentendimentos. Os estudos apontam que casais que vivem divididos entre o gostar e o odiar, já não conseguem ter controle emocional para equilibrar e conduzir a relação; por isso precisam de suporte profissional, especialmente da Terapia de Casal.

Nas brigas em um relacionamento, é importante lembrar que também existem os casos em que o casal já tenha se amado muito no passado. E, mesmo essa não sendo mais a realidade deles, insistem em permanecer juntos, acreditando que as brigas farão com que os áureos tempos retornem.

terapia de casal psicólogo em salvador elídio almeida

Por isso, durante a terapia de casal, sempre procuro compreender, junto a meus pacientes, o contexto da relação, o real sentimento de um pelo outro no momento e, claro, a função das brigas do casal. Embora a razão sempre varie de casal pra casal e de relacionamento para relacionamento, tenho percebido que existe um fator “compensador” nas brigas e discussões e, talvez por isso, muitos casais briguem tanto. Lógico que é difícil conceber que exista algo “compensador e legal” em brigar – por isso as aspas – mas nem sempre as pessoas notam que há um ganho secundário legítimo nas discussões e mesmo sem perceber, as pessoas são beneficiadas por este fator.

Pensar em “ganhos” presentes nas brigas do casal nos ajuda a compreender o contexto mais amplo desse comportamento. Lógico que a palavra ganho soa contraditória se pensarmos que a briga sempre traz um desentendimento para o casal; mas onde estaria o ganho? Talvez ajude se trocarmos a palavra ganho por consequências e isso pode se tornar ainda mais compreensivo se escalonarmos essas consequências.

terapia de casal psicólogo em salvador elídio almeida Bahia

Observe que a primeira consequência da briga é ruim (o desentendimento), mas a segunda ou terceira consequências podem ser muito boas ou compensar a primeira. É como trabalhar o mês todo, mas no final receber o salário e com ele adquirir várias coisas importantes e legais. Bem, mas quais seriam os ganhos secundários de uma briga?

Além da crença de retornar aos áureos tempos da relação, como disse acima, acredito que o principal ganho das brigas do casal é o fato de que, ao brigamos, conseguimos colocar para fora todos os nossos incômodos, nossas angústias e tudo aquilo que nos desagrada no relacionamento. Ou seja, expressar nossos sentimentos e emoções é algo que nos faz um bem enorme e é exatamente isso – dentre outros efeitos – que experimentamos quando brigamos com nosso parceiro ou parceira.

Em outras palavras, através das brigas e discussões comunicamos ao outro (ainda que inadequadamente) aquilo que está nos incomodando e, muitas vezes, essa comunicação é ouvida e atendida (outro ganho), fazendo com que a briga se instale no repertório do casal.

terapia de casal psicólogo em salvador relacionamento em crise

Briga de Casal

Algumas pessoas até conseguem perceber o ganho secundário de suas brigas nos relacionamentos, mas raramente conseguem perceber o “ganho” terciário. Como tratei acima, o benefício de expressar os sentimentos e emoções é apenas um dos ganhos. Durante as brigas obtemos outro tipo de consequência, algo como um efeito colateral pelo método que usamos para expressar os sentimentos e emoções.

Durante uma briga de casal as pessoas são agressivas, egoístas e usam a ofensa para comunicar aquilo que sentem. Com isso esquecem-se de que há outra pessoa recebendo tudo isso e, mesmo que haja amor e sentimento na relação, isso tende a ser diminuído a cada briga, chegando ao ponto de finalizar a relação, pois  ninguém consegue suportar o clima de briga por muito tempo em uma relação.

terapia de casal psicólogo em salvador relacionamento em crise

Pensando nisso é que, sempre que possível, faço um treinamento em comportamento assertivo com meus pacientes. Ser assertivo auxilia você a desenvolver habilidades mais adequadas para expressar seus sentimentos e emoções, comunicando de forma direta e clara aquilo que você sente e percebe, sem agredir seu parceiro ou parceira, mantendo o foco no problema, buscando soluções acordadas entre as partes e privilegiando a relação.

Por isso, sugiro que você pare um pouco e pense nos “ganhos” que você tem obtido através da briga de casal, especialmente com a forma que tem usado para comunicar seus sentimentos e emoções. Lembre-se também que se você não conseguiu ter sucesso até agora, você pode estar fazendo alguma coisa errada e isso pode ser um sinalizador que chegou a hora de mudar a estratégia de lidar com as brigas de casal e os problemas do relacionamento, evitando as brigas do casamento.

06/11/2018
principais erros cometidos na relação elidio almeida psicólogo terapia de casal em salvador

Os principais erros cometidos na relação.

Construir uma relação de sucesso não é fácil. Inseguros, muitas tentamos empurrar a poeira par debaixo do tapete, procuramos agradar ou evitamos tocar no assunto para não gerar mais mágoas. Pessoas que agem dessa forma estão enganadas. Agir dessa forma só piora a relação.
22/08/2018
pessoas que já tiveram outro relacionamento são mais problemáticas?

Pessoas que já tiveram outro relacionamento são mais problemáticas?

16/08/2018
Microtraição redes sociais e relacionamento psicólogo em salvador terapia de casal

Microtraição e as redes sociais.

A microtraição é o reflexo de uma insegurança cadavez maior vivenciada nos relaciomanetos. Dessa formam as redes sociais contribuiem para esse fenômeno.
09/08/2018
microtraição terapia de casal psicólogo em salvador

Microtraição. Saiba o significado e reflita sobre o seu relacionamento.

O que é microtraição? Descubra o que significa microtraição e entenda como ter uma relação mais leve e um casamento sem sofrimento.
01/06/2018
terapia de casal em salvador Elídio Almeida psicólogo

Homens são mais resiste à terapia de casal. Mito ou verdade?

21/03/2018
Como funciona a terapia de casal

Como funciona a terapia de casal?

08/02/2018
Qual a melhor maneira para terminar um relacionamento? psicólogo em salvador especialista em terapia de casal Elidio Almeida

Qual a melhor maneira para terminar um relacionamento?

02/10/2017
Voo cancelado ciúme psicólogo em salvador terapia de casal

Voo cancelado, ciúme mantido.

15/02/2016
briga-terapia-de-casal-psicólogo-em-salvador-1

BRIGA DE CASAL: Casal que briga permanece junto?

Agende pelo WhatsApp