tratamento-para-crise-de-pânico-com-o-psicólogo-elídio-almeida

Transtorno do Pânico: o que fazer numa crise?

O transtorno do pânico, anteriormente chamado de síndrome do pânico, é um conjunto de alterações corporais e comportamentais que se caracteriza por ataques ou crises de pânico que acontecem de forma súbita e intensa. Normalmente, provoca taquicardia, dificuldade de respirar, boca seca, tremores, sudorese, tonturas, vertigens, pernas bambas, náuseas, formigamento, medo de perder o controle, desmaio, terror (sensação de que algo terrível irá acontecer) e medo de morrer.

Os ataques têm seu ápice por volta de dez minutos após o início, podendo durar até uma hora. Por vezes, o transtorno do pânico se apresenta associado a outros transtornos, como de ansiedade generalizada ou específica (como agorafobia), depressão, transtorno obsessivo compulsivo. De acordo com alguns relatos de quem convive com esse transtorno, os ataques surgem aparentemente “do nada”: “De repente, eu senti uma terrível onda de medo, sem nenhum motivo. Meu coração disparou, tive dor no peito e dificuldade para respirar. Pensei que fosse morrer.”

tratamento para crise de transtorno do Pânico em salvador

As histórias típicas das pessoas que tiveram ataques de pânico são de uma vida normal até a ocorrência do primeiro ataque. Depois disso, suas vidas pessoais, profissionais e afetivas ficaram comprometidas. Isso porque os lugares em que ocorreram os ataques de pânico, normalmente, passam a ser evitados, o que leva a restrições importantes quanto às atividades profissionais e pessoais. “Tenho tanto medo. Toda vez que me preparo para sair, tenho aquela desagradável sensação no estômago e me aterrorizo pensando que vou ter outra crise.”

É nesse momento que outros problemas comportamentais podem surgir, tais como, depressão, ansiedade generalizada, agorafobia, ou uso indiscriminado de remédios.

panico-como-ajudar tratamento em salvador psicólogo elídio almeida

Fatores influenciadores

As causas dos ataques de pânico estão relacionadas, principalmente, a fatores ambientais/históricos ao longo da vida de cada pessoa. Assim, compreender a história de vida daquele que tem o transtorno do pânico é fundamental para o seu tratamento. Normalmente, as pessoas que sofrem de ataque do pânico costumam apresentar muitos aspectos em comum:

  •  são pessoas extremamente produtivas no nível profissional;
  •  costumam assumir uma carga excessiva de responsabilidades e afazeres;
  •  são muito exigentes consigo mesmas e não convivem bem com erros ou imprevistos;
  •  são perfeccionistas com excessiva necessidade de estar no controle e de ter a aprovação dos outros;
  •  têm tendência a se preocupar demais com os problemas do dia a dia;
  •  possuem alto nível de criatividade;
  •  possuem autoexpectativas extremamente altas e tem fortes regras;
  •  não sabem diferenciar seus sentimentos;
  •  tem uma grande tendência a não perceber suas necessidades físicas.

ataque de panico tratamento em salvador

Outras características que têm sido observadas naqueles que desenvolveram o transtorno são a privação afetiva, a dependência emocional e a submissão nas relações interpessoais. Dê uma olhada no vídeo abaixo, ele mostra um pouco da vida de um casal que sofria por conta do transtorno do pânico:

Tratamento indicado para o transtorno do pânico

Muitas pessoas com transtorno de pânico acreditam que as crises podem ser passageiras e circunstanciais, não buscam e/ou não recebem apoio da família e demoram a procurar tratamento especializado. Essa demora compromete o quadro, produzindo aumento na freqüência dos ataques/crises, bem como o aumento das limitações na vida da pessoa. Além disso, por não saberem qual profissional procurar e por não entenderem as reações físicas que estão sentindo, procuram os prontos-socorros, onde nem sempre há um profissional de saúde mental que pode apresentar um diagnóstico preciso. O acompanhamento médico pode ser necessário, todavia a psicoterapia comportamental tem se mostrado extremamente eficaz no diagnóstico e tratamento de pessoas com transtorno do pânico.

A terapia comportamental objetiva a promoção de autoconhecimento, levando a pessoa a compreender eventos na sua vida que desencadeiam e/ou mantém o pânico. Além disso, a terapia comportamental dispõe de técnicas para expor a pessoa a situações que desencadeariam o pânico, lenta e gradualmente, de forma que haja uma dessensibilização para o local “temido”, ensinando-o a enfrentar suas limitações de forma menos estressante. Nesta terapia, é enfatizada a importância de se aprender a colocar limites nas relações interpessoais, entender que não se deve viver para agradar outras pessoas e que não se deve sentir responsável por todos e por tudo.

sndrome-do-panico tratamento psicólogo em salvador

Vale ressaltar que a pessoa pode, paralelamente à psicoterapia, se engajar no tratamento medicamentoso, mas se não mudar seus comportamentos, e o contexto que a levou e/ou mantém suas crises, a tendência é que o problema persista. O transtorno de pânico quando não tratado, produz sérias conseqüências na vida pessoal, profissional e afetiva de uma pessoa. Porém a falta de tratamento adequado pode levar até ao suicídio.

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

No Comments

Post A Comment