Inveja-ou-recalque-psicólogo-em-salvador

Recalque ou inveja?

Recalque: a palavra da moda para descrever a inveja!

Recalque ou inveja? Recentemente tenho ouvido as pessoas usarem as palavras recalque/recalcado com tamanha frequência que pensei estar em minhas aulas de Psicanálise na São Lázaro, na UFBA. Porém percebi que as palavras não estavam sendo empregadas da mesma forma que aprendi na faculdade. Não demorei a descobrir que, na verdade, tratava-se apenas de um bordão de uma dessas novelas da Globo.

Inveja ou recalque psicólogo em salvador tratamento psicólogo

Confesso ter ficado curioso ao descobrir que uma palavra até então conhecida por poucos, exclusivamente por seu caráter técnico, ganhou uma versão popular e disseminou-se pelo Brasil. Tenho uma suspeita sobre isto: alguém que fazia análise deve ter tido uma aulinha sobre o comportamento descrito como recalque, fez uma interpretação própria do termo, ou até mesmo ouviu uma distorção feita sobre o termo, e acabou propagando sua concepção pelo mundo afora.

Sentido da palavra recalque na Psicologia

Na Psicologia o termo recalque é muito utilizado pelos psicanalistas e descreve um determinado padrão comportamental. Este comportamento, inicialmente estudado por Freud, tecnicamente “designa o mecanismo através do qual o indivíduo tenta eliminar da sua consciência as informações que considera inaceitáveis”. É como se alguém, após presenciar uma agressão física, tentasse esquecer o que viu, tentando se preservar ou não se comprometer e se envolver com aquele ato. Em outras palavras, “é um processo no qual o indivíduo tenta manter ao nível do inconsciente emoções, desejos, lembranças ou informações passíveis de entrarem em conflito com a visão que o sujeito tem de si mesmo ou na sua relação com o mundo”.

Inveja recalque psicólogo em salvador elidio

O termo recalque também se aplica às ocasiões nas quais concebemos uma ideia absurda e tentamos, a qualquer custo, esquecê-la. Você pode até conseguir esquecê-la por alguns momentos, mas ela sempre retorna, podendo provocar uma série de perturbações.

O recalque também ocorre ao reprimirmos desejos ou fantasias que nos trazem sentimento de culpa. Por isso, muitas vezes, o resultado do recalque acaba surgindo em nossos sonhos (fantasias eróticas, medos, desejos, anseios…).

Para a Psicologia, o recalque está presente em todas as fases de nossa vida. Trata-se de algo que serve para amenizar nossas dificuldades cotidianas, porém isto pode acarretar alguns prejuízos psicológicos e existenciais, como é o caso do ato falho.

Além disso, a associação do recalque com baixa auto-estima, isolamento social, timidez e dificuldade em expressar adequadamente emoções e sentimentos, faz com que tais comportamentos possam ser entendidos, pelos outros, como sendo inveja. Entender o recalque como inveja é uma concepção equivocada e isso também pode ter influenciado na distorção e popularização atual do termo.

Inveja ou recalque psicólogo em salvador elidio almeida

Recalque: a inveja no ambiente de trabalho

A inveja, uma velha conhecida em nossa cultura, parece ser a bola da vez em publicações nas redes sociais, nas brincadeiras entre amigos e, é claro, na tradicional provocação feita a alguém. Porém atualmente ela tem aparecido sob um novo nome: recalque.

É um processo parecido com o que ocorreu com a palavra bullying: um termo relativamente novo, mas que descreve um comportamento muito antigo.

Já que as pessoas têm utilizado o termo recalque como sinônimo de inveja, precisamos destacar que há diversos tipos de invejas e que, de certa forma, alguns deles podem até se aproximar do significado de recalque descrito por Freud. Sim, isto ocorre, pois alguns destes tipos exprimem um desejo não alcançado ou uma frustração reprimida.

O que me chama a atenção é que, com todo o destaque que a INVEJA tem tido nesse oba-oba do uso do RECALQUE desencadeado pela novela, as pessoas parecem não se questionar sobre a existência desse comportamento e todos os prejuízos que o mesmo traz aos indivíduos e à nossa sociedade.

Inveja ou recalque psicólogo em salvador terapia de casal em salvador

É surpreendente como muitas pessoas possuem dificuldade para expressar de forma adequada suas emoções e terminam, de fato, recalcando-as, trazendo para si, devido a isto, prejuízos psíquicos e situacionais.

Além disso, muitas vezes, as pessoas expressam suas emoções com comportamentos permeados de inveja, o que acaba expondo uma pobreza psíquica e uma certa inabilidade social.

Seja como for, é possível imaginar o sofrimento de alguém recalcado, seja no sentido freudiano ou no sentido popular, enfrenta no seu dia a dia. Sim, pois, geralmente, são pessoas angustiadas, solitárias, infelizes e tristes, que, em sua grande maioria, ainda não foram bem sucedidas em suas vidas. E, devido a isto, buscam diminuir as conquistas alheias, tentando contaminar as outras pessoas com sua infelicidade.

Em todo caso, é altamente recomendável que as pessoas procurem conhecer mais a si mesmas, descubram novas possibilidades de conquistas e aprendam a lidar com suas frustrações, e com o sucesso alheio, de forma mais adequada.

 

 

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

7 Comments
  • Magno
    Posted at 11:29h, 23 maio Responder

    Ta explicado o problema de (IN)Feliciano… RECALQUE! No sentido freudiano e popular!

    • Elídio Almeida
      Posted at 12:07h, 23 maio Responder

      Pois é Magno, penso que ainda teremos grandes revelações sobre esse cara.

  • Antonio Rosa
    Posted at 21:33h, 19 fevereiro Responder

    Muito elucidativa a abordagem para um termo tão complexo e empregado de forma tão pejorativa.

  • Antonio Rosa
    Posted at 11:30h, 12 abril Responder

    Muito elucidativa a abordagem para um termo tão complexo e empregado de forma tão pejorativa.

  • Antonio Rosa
    Posted at 10:51h, 13 abril Responder

    Muito elucidativa a abordagem para um termo tão complexo e empregado de forma tão pejorativa.

  • Antonio Rosa
    Posted at 10:53h, 13 abril Responder

    Muito elucidativa a abordagem para um termo tão complexo e empregado de forma tão pejorativa.

  • Antonio Rosa
    Posted at 10:57h, 13 abril Responder

    Muito elucidativa a abordagem para um termo tão complexo e empregado de forma tão pejorativa.

Deixe uma resposta