tragédia psicólogo emsalvador

Lamentável por nós! A tragédia de Santa Maria.

Desde a tragédia ocorrida no dia 27 de janeiro de 2013, na cidade de Santa Maria-RS, onde 235 pessoas morreram e outras 143 foram hospitalizadas – todas vítimas do incêndio ocorrido na boate Kiss – temos visto muitas notícias e manifestações de emoção e solidariedade em função deste drama que figura como o segundo maior incêndio ocorrido no Brasil. Muitas dessas manifestações emotivas foram alvos de críticas, questionamentos e gerou muita polêmica.

Tragédia em Santa Maria

Dentre todas as notícias que li e acompanhei, algumas me surpreendeu pela frieza e oportunismo com que, nitidamente, muitas pessoas pongaram na tragédia (ou não sabem mensurar a gravidade dos seus atos) para defender ou fomentar suas orientações políticas, religiosas, sexuais… Uma das notícias em especial me foi recomendada por uma pessoa seguidora do blog, que solicitou um post sobre esse tema.

tragédia bate kiss psicólogo em salvador

A notícia me chamou bastante a atenção, pois versava sobre o tão polêmico e repercutido choro da presidente Dilma, ao pronunciar-se sobre a tragédia de Santa Maria.

No texto, o autor faz um paralelo entre o número de pessoas vitimadas no incêndio da boate Kiss e a quantidade de jovens mortos anualmente no Brasil por crimes de homofobia. E questiona: “Por que a presidenta não chora pelos gays?” (fonte).

Disputa desleal

Discutir a homofobia e seus efeitos danosos para as pessoas e para nossa sociedade deve sim ser um assunto em pauta permanente, mas não acredito que uma tragédia com a dimensão da ocorrida no último final de semana deva ser colocada em menor escala de importância frente aos crimes de homofobia que ocorrem a cada instante em todas as partes do país.

Penso que ambas têm igual gravidade e não é desprestigiando uma em detrimento de outra que avançaremos em respeito e dignidade às pessoas. Afinal, em todos esses episódios há perdas, óbitos, feridas físicas e emocionais, culpados, irresponsabilidades, negligências, além de famílias e histórias destruídas.

tragédia ódio na internet psicólogo em salvador

Dilma e o choro

E o choro da presidente, por que foi tão questionado? Muitos chegaram a dizer que era “falso”, “eleitoreiro”, “sem emoção”, “lágrimas de crocodilo”… e este também foi outro fato que me deixou reflexivo.

Com que propriedade podemos dizer que a expressão da emoção de alguém é ou não verdadeira? Isso me fez lembrar as primeiras aulas sobre análise do comportamento, durante a graduação, onde aprendi sobre comportamento privado e público.

O comportamento privado é aquele que pode ser observado apenas pela própria pessoa que o emite. Ou seja, outras pessoas só podem conhecê-lo através do relato de quem se comportou.

Já o comportamento público, é aquele que pode ser observado por qualquer pessoa que esteja presente na sua emissão. O que distingue esses comportamentos é somente a quantidade de observadores que têm acesso a eles.

No caso da presidente, chorar, por exemplo, foi um comportamento público, já que todos os presentes naquele momento (e os que acompanharam os registros audiovisuais) puderam observar. Por, os sentimentos, do polêmico choro, por outro lado, só são acessíveis a quem se comportou, ou seja, a própria presidente; sendo, portanto, um comportamento privado onde ninguém tem propriedades efetivas para afirmar o que ela sentia ou pensava naquele momento.

tragédia Morte na Kiss Dilma psicólogo em salvador

Quem vê cara, não vê coração

Situações como essas são extremamente presentes na nossa vida diária, onde comumente as pessoas fazem juízo do que veem no nosso comportamento público e, a partir daí fazem juízo de valor, inferências e muitas vezes tiram conclusões precipitadas e errôneas a respeito das pessoas, situações e fatos.

Tudo isso, é ainda mais agravado quando usamos nossa percepção e interpretação para difundir nossos interesses, seja eles de cunho político, religioso, sexual, econômico… Embora saibamos que esse é, muitas vezes, um padrão de comportamento amplamente usual em muitos contextos, pois, desde sempre vivemos numa sociedade que é extremamente habilidosa em nos ensinar a usar comportamentos públicos (principalmente os emotivos) para obter resultados: as propagandas publicitárias, os políticos, ações de vendas e campanhas solidárias, dentre outros, são grandes referências com as quais convivemos e aprendemos a usá-la em função dos interesses.

Devemos sempre evitar fazer juízo de valor dos comportamentos públicos/privados alheiros, bem como não achar que a dor do outro é diferente da nossa.

Somos todos diferentes, e como bem disse Caetano Veloso, “cada um sabe a dor de ser o que é”. Enfrentar um julgamento, um crime de homofobia ou uma tragédia pessoal/ humanitária como a de Santa Maria é, sem dúvida, sempre repleto de dor, tristeza e muito sofrimento. Porém, viver qualquer um deles, direta ou indiretamente, não nos qualifica a julgar ou achar que a dor do outro é menor que a nossa, tão pouco nos autoriza a mensurar o comportamento do outro.

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

No Comments
  • Magno
    Posted at 21:25h, 01 fevereiro Responder

    Muito interessante essa abordagem sobre o comportamento privado e público.
    Também achei um absurdo questionarem o choro/comoção da presidenta.

    Sobre o fato de se aproveitarem do caso para “fomentar suas orientações políticas, religiosas, sexuais”, acho uma indelicadeza total.
    Triste ver cristãos que em tese, pregam o amor, falando verdadeiras insanidades.

    Comparar os casos de homofobia, aborto, e regime penitenciário com o ocorrido em Santa Maria e em seguida julgar o que é trágico e o que não é, também acho muito pretensioso.

    Entretanto não penso que tenha sido essa a intenção do autor do texto “Por que a presidenta não chora pelos gays?”, pelo menos de acordo com a minha interpretação.

    O título escolhido por ele foi muito, muito infeliz, eu mesmo fiz um julgamento de todo o texto apenas por tal título, e quase nem lia o mesmo. Justamente porque não achei uma comparação legal. Mas ainda assim me dispus a ler. E gostei! Bastante!

    O autor logo no início já nos convida a “refletir sobre a situação de forma não personalista, afinal, Dilma não foi a única a se comover publicamente diante dessa tragédia e não diante de outras”. Ele também diz que não é o objetivo discutir “sobre quem tem ou não tem o mérito de ser chorado”, mas sugere analisarmos o seguinte: “porque a cultura que seleciona o que é trágico e o que não é os/as elegeram em detrimento de outros/as como merecedores de comoção?”.

    Não vi o texto como uma crítica ao comportamento privado da presidenta. Acredito que o autor tenha feito a mesma coisa que você Elídio, usou o ocorrido para analisar comportamentos, e não julgar a veracidade do choro/comoção dela, tampouco levantar bandeiras de suas ideologias politicas, religiosas ou sexuais…

    Ótimos textos!!

    Recomendo que também leiam o texto do outro autor e tirem suas próprias conclusões.

    Link: http://acapa.virgula.uol.com.br/colunas/por-que-a-presidenta-nao-chora-pelos-gays/10/104/21489

  • Magno
    Posted at 21:25h, 01 fevereiro Responder

    Muito interessante essa abordagem sobre o comportamento privado e público.
    Também achei um absurdo questionarem o choro/comoção da presidenta.

    Sobre o fato de se aproveitarem do caso para “fomentar suas orientações políticas, religiosas, sexuais”, acho uma indelicadeza total.
    Triste ver cristãos que em tese, pregam o amor, falando verdadeiras insanidades.

    Comparar os casos de homofobia, aborto, e regime penitenciário com o ocorrido em Santa Maria e em seguida julgar o que é trágico e o que não é, também acho muito pretensioso.

    Entretanto não penso que tenha sido essa a intenção do autor do texto “Por que a presidenta não chora pelos gays?”, pelo menos de acordo com a minha interpretação.

    O título escolhido por ele foi muito, muito infeliz, eu mesmo fiz um julgamento de todo o texto apenas por tal título, e quase nem lia o mesmo. Justamente porque não achei uma comparação legal. Mas ainda assim me dispus a ler. E gostei! Bastante!

    O autor logo no início já nos convida a “refletir sobre a situação de forma não personalista, afinal, Dilma não foi a única a se comover publicamente diante dessa tragédia e não diante de outras”. Ele também diz que não é o objetivo discutir “sobre quem tem ou não tem o mérito de ser chorado”, mas sugere analisarmos o seguinte: “porque a cultura que seleciona o que é trágico e o que não é os/as elegeram em detrimento de outros/as como merecedores de comoção?”.

    Não vi o texto como uma crítica ao comportamento privado da presidenta. Acredito que o autor tenha feito a mesma coisa que você Elídio, usou o ocorrido para analisar comportamentos, e não julgar a veracidade do choro/comoção dela, tampouco levantar bandeiras de suas ideologias politicas, religiosas ou sexuais…

    Ótimos textos!!

    Recomendo que também leiam o texto do outro autor e tirem suas próprias conclusões.

    Link: http://acapa.virgula.uol.com.br/colunas/por-que-a-presidenta-nao-chora-pelos-gays/10/104/21489

  • Magno
    Posted at 21:25h, 01 fevereiro Responder

    Muito interessante essa abordagem sobre o comportamento privado e público.
    Também achei um absurdo questionarem o choro/comoção da presidenta.

    Sobre o fato de se aproveitarem do caso para “fomentar suas orientações políticas, religiosas, sexuais”, acho uma indelicadeza total.
    Triste ver cristãos que em tese, pregam o amor, falando verdadeiras insanidades.

    Comparar os casos de homofobia, aborto, e regime penitenciário com o ocorrido em Santa Maria e em seguida julgar o que é trágico e o que não é, também acho muito pretensioso.

    Entretanto não penso que tenha sido essa a intenção do autor do texto “Por que a presidenta não chora pelos gays?”, pelo menos de acordo com a minha interpretação.

    O título escolhido por ele foi muito, muito infeliz, eu mesmo fiz um julgamento de todo o texto apenas por tal título, e quase nem lia o mesmo. Justamente porque não achei uma comparação legal. Mas ainda assim me dispus a ler. E gostei! Bastante!

    O autor logo no início já nos convida a “refletir sobre a situação de forma não personalista, afinal, Dilma não foi a única a se comover publicamente diante dessa tragédia e não diante de outras”. Ele também diz que não é o objetivo discutir “sobre quem tem ou não tem o mérito de ser chorado”, mas sugere analisarmos o seguinte: “porque a cultura que seleciona o que é trágico e o que não é os/as elegeram em detrimento de outros/as como merecedores de comoção?”.

    Não vi o texto como uma crítica ao comportamento privado da presidenta. Acredito que o autor tenha feito a mesma coisa que você Elídio, usou o ocorrido para analisar comportamentos, e não julgar a veracidade do choro/comoção dela, tampouco levantar bandeiras de suas ideologias politicas, religiosas ou sexuais…

    Ótimos textos!!

    Recomendo que também leiam o texto do outro autor e tirem suas próprias conclusões.

    Link: http://acapa.virgula.uol.com.br/colunas/por-que-a-presidenta-nao-chora-pelos-gays/10/104/21489

Deixe uma resposta