TOC: Elídio Almeida falou sobre esse tema em reportagens da Record e SBT.

TOC – No último dia 02, o psicólogo Elídio Almeida concedeu entrevista ao programa Hoje em Dia, para falar sobre o caso de um senhor que coleciona lixo em casa. Na oportunidade, Elídio aproveitou para falar sobre TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo, um transtorno que afeta pessoas com altos níveis de ansiedade, baixa autoestima e pensamentos intrusos.

 

TOC Elidio Almeida Psicólogo em salvador terapeuta de casalTOC Elidio Almeida Psicólogo em salvador terapeuta de casal

 

No geral, as pessoas com TOC ficam presas a um ciclo vicioso. O que ela faz para tentar ter alívio imediato dos pensamentos e problemas, na verdade, mantém e intensifica o problema. Ou seja, quanto mais a pessoa fizer um ritual para sentir-se melhor, mais ela ficará escrava das obsessões, refém do próprio pensamento e dos rituais.

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo, ou TOC, como é popularmente conhecido, é o quarto transtorno mental mais frequente no mundo e atinge de 2% a 3% da população do planeta. No Brasil, aproximadamente sete milhões de pessoas já desenvolveram esse transtorno. O TOC afeta todas as idades e ambos os sexos. Inicia-se, geralmente, entre o final da adolescência e o princípio da vida adulta, podendo ser relacionado com momentos de mudanças significativas na vida da pessoa ou com situações de extrema e intensa ansiedade.

 

TOC: Como se comportam as pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo?

 

As pessoas, acometidas pelo TOC, são dominadas por pensamentos ou ideias recorrentes, como por exemplo, “será que estou com mau cheiro?” ou “será que tranquei a porta da casa?”. E, para reduzir a ansiedade e angústia geradas pelos pensamentos obsessivos, a pessoa passa a desenvolver comportamentos repetitivos e ritualísticos, como ficar horas no banho ou conferir várias vezes se uma porta está trancada.

 

 

Este mesmo caso foi destaque na TV Aratu – SBT, onde foram mostrados vários casos de colecionismo, dentre eles o senhor que coleciona lixo. O colecionismo se caracteriza pela ideia fixa em colecionar determinados objetos inúteis ou não desfazer-se deles por achar que serão úteis no futuro. Todavia, devemos ficar atentos para diferenciar o colecionismo esportivo do colecionismo patológico. Uma dica para isso é ficar atento ao que motiva e mantém esse comportamento, principalmente às consequências que isso traz à pessoa que emite o comportamento, bem como as pessoas envolvidas direta e indiretamente na questão.

 

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

No Comments

Deixe uma resposta