bullying psicólogo emsalvador

Bullying transforma jovem de 15 anos em herói mundial.

Bullying – Um vídeo que foi publicado na internet no dia 14 tem feito o maior sucesso e transformou a vida de um jovem australiano que era vítima de bullying na escola. Desde a publicação do vídeo, Casey Heynes tem sido considerado símbolo da luta contra o bullying em todo o mundo. As imagens do vídeo mostram Casey sendo agredido por outro garoto do colégio, enquanto outros jovens riem, incentivam a violência e acompanham a cena. Nos primeiros golpes, Casey não reage. Mas chega o momento em que ele começa a se defender e atira seu adversário contra o chão.

 

 

Em entrevista a um programa de televisão, Casey diz que sempre sofreu bullying e que, inclusive, já havia pensado em tentar suicídio para se livrar das humilhações. Hoje, o jovem é considerado um herói mundial por ter reagido contra seu agressor daquela forma. O pai ao ver o vídeo e saber que o filho era vítima de agressões diz ter ficado surpreso e toda a família apoia a atitude do garoto. Pelo que tenho visto, o mundo inteiro também apoia!

 

 

Depois da explosão do vídeo na internet e da quantidade de notícias e discussões que isso gerou, quero também fazer alguns comentários:

Todo esse caso mostra como tantas crianças são vítimas de agressões físicas e psicológicas nas escolas e muitas vezes nem a escola nem a família possuem conhecimento dos fatos. A ausência da escola e da família em casos desse tipo pode levar a criança a tentar resolver as coisas ao seu modo, seja também praticando violência contra seu agressor, calando-se ou até mesmo pensando na possibilidade do suicídio como forma de escapar da situação, como disse Casey.

A grande repercussão desse caso em todo mundo fez com que muitas escolas e pais ficassem mais atentos à vida dos alunos e filhos, além de estimular que outras vítimas também se manifestassem. E isso foi algo bacana! Mas também, a popularidade que Casey possui hoje em todo o mundo pode ser um indicador que muitas outras pessoas se identificaram com as situações que ele viveu, daí a razão de ele hoje ser considerado um símbolo contra o bullying.

Não reforçar os atos do agressor é um dos comportamentos mais desejados para evitar que o bullying continue acontecendo. Porém, toda essa popularidade e admiração que as pessoas possuem hoje por Casey me preocupa. Como eu disse, enfrentar o problema é um comportamento necessário para se livrar das agressões, mas precisamos ter em vista que agressão gera mais agressão. Nesse episódio, certamente, a história não acabou com a reação de Casey. Ela pode ter sido apenas um paliativo para a questão. Pode ser que o agressor queira tentar “dar o troco” de uma forma mais dura. E, assim, a história caminha para cenas cada vez mais intensas.

 

 

diferença-entre-tristeza-e-depressão suicídio psicólogo em salvador

 

 

Há outras formas de lidar com o bullying.

 

Também, precisamos pensar que há outras formas de lidar com o bullying e resolver completamente a situação, sem precisar fazer uso da agressividade. Como vimos, Casey hoje é visto com um herói contra o bullying e as pessoas podem estar interpretando o sucesso dele como uma vitória e entender que a melhor forma de evitar o bullying seja batendo e agredindo o agressor. Por isso, devemos pensar que aquela atitude de Casey pode ter dado um basta naquele momento, mas não colocou um fim na questão. E que, podemos ter situações ainda mais graves, se as pessoas que são vítimas de bullying tomarem isso como exemplo bem-sucedido e começarem a colocar em prática a mesma estratégia de Casey contra seus agressores.

Precisamos sempre estar atentos contra o bullying. Esse caso, em especial, me chamou a atenção, pois vários profissionais comentaram o caso, vários veículos noticiaram o fato, mas não vi nenhum refletindo profundamente sobre as consequências que ainda poderão acontecer com o desdobramento desse ou de casos semelhantes. Confesso que fiquei chocado com alguém que também faz uma agressão ser transformado em herói! Lógico que os motivos de cada um são diferentes, mas não devemos nos ater apenas a isto.

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

No Comments
  • Adelson de Brito
    Posted at 17:31h, 24 Março Responder

    Na escola primária aos 7 anos,(meu irmão tinha 6) nós éramos os únicos negros na escola, e eu não sabia que o meu irmãozinho sofria “bullying”, até que um dia eu vi. Os outros colegas do agressor vieram e me seguraram enquanto meu irmão apanhava.
    Aprendi capoeira, escondido dos meus pais. Um dia aos 10 anos (e ele aos 9) fomos ao bairro onde morava o menino que agredia meu irmão e promovemos um quebra-quebra. Batemos em todos os meninos brancos que encontramos, isso após termos espancado o agressor do meu irmãozinho e os amigos dele.
    Moral da história: O “bulling” pode sim gerar comportamentos violentos cujas consequências serão imprevisíveis. Hoje, felizmente, sou professor universitário.
    ABAIXO O “BULLING

    • Elídio Almeida
      Posted at 21:43h, 24 Março Responder

      Olá Adelson Brito!

      Obrigado pelo depoimento. Que bom que tenha compreendido a mensagem que tentei transmitir com o texto. Que o episódio trazido por você também sirva de alerta para pensarmos em formas mais assertivas de lidar com esse problema tão grave como é o Bully. Abraços!

  • Adelson de Brito
    Posted at 17:31h, 24 Março Responder

    Na escola primária aos 7 anos,(meu irmão tinha 6) nós éramos os únicos negros na escola, e eu não sabia que o meu irmãozinho sofria “bullying”, até que um dia eu vi. Os outros colegas do agressor vieram e me seguraram enquanto meu irmão apanhava.
    Aprendi capoeira, escondido dos meus pais. Um dia aos 10 anos (e ele aos 9) fomos ao bairro onde morava o menino que agredia meu irmão e promovemos um quebra-quebra. Batemos em todos os meninos brancos que encontramos, isso após termos espancado o agressor do meu irmãozinho e os amigos dele.
    Moral da história: O “bulling” pode sim gerar comportamentos violentos cujas consequências serão imprevisíveis. Hoje, felizmente, sou professor universitário.
    ABAIXO O “BULLING

    • Elídio Almeida
      Posted at 21:43h, 24 Março Responder

      Olá Adelson Brito!

      Obrigado pelo depoimento. Que bom que tenha compreendido a mensagem que tentei transmitir com o texto. Que o episódio trazido por você também sirva de alerta para pensarmos em formas mais assertivas de lidar com esse problema tão grave como é o Bully. Abraços!

  • Adelson de Brito
    Posted at 17:31h, 24 Março Responder

    Na escola primária aos 7 anos,(meu irmão tinha 6) nós éramos os únicos negros na escola, e eu não sabia que o meu irmãozinho sofria “bullying”, até que um dia eu vi. Os outros colegas do agressor vieram e me seguraram enquanto meu irmão apanhava.
    Aprendi capoeira, escondido dos meus pais. Um dia aos 10 anos (e ele aos 9) fomos ao bairro onde morava o menino que agredia meu irmão e promovemos um quebra-quebra. Batemos em todos os meninos brancos que encontramos, isso após termos espancado o agressor do meu irmãozinho e os amigos dele.
    Moral da história: O “bulling” pode sim gerar comportamentos violentos cujas consequências serão imprevisíveis. Hoje, felizmente, sou professor universitário.
    ABAIXO O “BULLING

    • Elídio Almeida
      Posted at 21:43h, 24 Março Responder

      Olá Adelson Brito!

      Obrigado pelo depoimento. Que bom que tenha compreendido a mensagem que tentei transmitir com o texto. Que o episódio trazido por você também sirva de alerta para pensarmos em formas mais assertivas de lidar com esse problema tão grave como é o Bully. Abraços!

  • SILVIO ALVES DE FREITAS
    Posted at 10:20h, 25 Março Responder

    EU JÁ SOFRI BULLY MESMO 15 ANOS ATÉ 17 MAS HOJE SEI LIDAR COM ESSE PROBLEMA E SABER MAIS PARA CONVERSAR COM AMIGOS E FAMILIARES.

  • SILVIO ALVES DE FREITAS
    Posted at 10:20h, 25 Março Responder

    EU JÁ SOFRI BULLY MESMO 15 ANOS ATÉ 17 MAS HOJE SEI LIDAR COM ESSE PROBLEMA E SABER MAIS PARA CONVERSAR COM AMIGOS E FAMILIARES.

  • SILVIO ALVES DE FREITAS
    Posted at 10:20h, 25 Março Responder

    EU JÁ SOFRI BULLY MESMO 15 ANOS ATÉ 17 MAS HOJE SEI LIDAR COM ESSE PROBLEMA E SABER MAIS PARA CONVERSAR COM AMIGOS E FAMILIARES.

  • Caroline Rastely
    Posted at 11:07h, 27 Março Responder

    Poxa professor
    Figuei muito feliz em saber que existem pessoas que sofrem ou já sofreram com Bullying e se defenderam, este garoto é um exemplo, ele deixa claro que é POSSÍVEL sim, que a situação pode mudar e mudar ao seu favor.
    Quando vejo este video fico imaginando o que passa na cabeça do agressor, que deve se sentir o “cara”, querer ser o popular mesmo que seja em um sentido ruím, e o incrível é ver ver que ninguém tenta separar estas agressõs, acredito que muitas vezes é pelo simples fato de dizer ” Antes ele do que eu “. As pessoas pensam muito que é o único ser na terra, e que só basta se preocupar e ajudar a si próprio.
    DEUS nos diz em sua palavra que não escolhe os capacitados, Ele capacita os ESCOLHIDOS. Este menino é uma prova viva.
    By: Caroline Rastely – Atakarejo

  • Caroline Rastely
    Posted at 11:07h, 27 Março Responder

    Poxa professor
    Figuei muito feliz em saber que existem pessoas que sofrem ou já sofreram com Bullying e se defenderam, este garoto é um exemplo, ele deixa claro que é POSSÍVEL sim, que a situação pode mudar e mudar ao seu favor.
    Quando vejo este video fico imaginando o que passa na cabeça do agressor, que deve se sentir o “cara”, querer ser o popular mesmo que seja em um sentido ruím, e o incrível é ver ver que ninguém tenta separar estas agressõs, acredito que muitas vezes é pelo simples fato de dizer ” Antes ele do que eu “. As pessoas pensam muito que é o único ser na terra, e que só basta se preocupar e ajudar a si próprio.
    DEUS nos diz em sua palavra que não escolhe os capacitados, Ele capacita os ESCOLHIDOS. Este menino é uma prova viva.
    By: Caroline Rastely – Atakarejo

  • Caroline Rastely
    Posted at 11:07h, 27 Março Responder

    Poxa professor
    Figuei muito feliz em saber que existem pessoas que sofrem ou já sofreram com Bullying e se defenderam, este garoto é um exemplo, ele deixa claro que é POSSÍVEL sim, que a situação pode mudar e mudar ao seu favor.
    Quando vejo este video fico imaginando o que passa na cabeça do agressor, que deve se sentir o “cara”, querer ser o popular mesmo que seja em um sentido ruím, e o incrível é ver ver que ninguém tenta separar estas agressõs, acredito que muitas vezes é pelo simples fato de dizer ” Antes ele do que eu “. As pessoas pensam muito que é o único ser na terra, e que só basta se preocupar e ajudar a si próprio.
    DEUS nos diz em sua palavra que não escolhe os capacitados, Ele capacita os ESCOLHIDOS. Este menino é uma prova viva.
    By: Caroline Rastely – Atakarejo

  • luan
    Posted at 18:03h, 01 Abril Responder

    Cara eu vi é que vc esta muito certo ^^” so isso q eu tenho a falar!

  • luan
    Posted at 18:03h, 01 Abril Responder

    Cara eu vi é que vc esta muito certo ^^” so isso q eu tenho a falar!

  • luan
    Posted at 18:03h, 01 Abril Responder

    Cara eu vi é que vc esta muito certo ^^” so isso q eu tenho a falar!

  • Deivid
    Posted at 14:48h, 15 Abril Responder

    Fico triste em saber como as pessoas elevam reações pontuais,não menos agressivas do que as daqueles que promovem o bullying, há um patamar do “justo”. Isso só corrobora a idéia de que estamos nos tornando cada vez mais incapazes de mediar conflitos por outras vias que não a violência “simbólica” e/ou física. Coroar Casey como um herói é simplesmente atestar nossa incapacidade de promover uma discussão séria sobre as consequências sociais e psicológicos de práticas como o bullying, cada vez mais frequentes nos ambientes escolares e de trabalho. Dessa forma estaremos sempre incentivando nos “massacres em realengo”. Como disse Gandhi, parafraseando o código de Hamurabi: “Olho por olho, dente por dente…o mundo acabará cego.

    Deivid Cassiano
    Psicólogo

  • Deivid
    Posted at 14:48h, 15 Abril Responder

    Fico triste em saber como as pessoas elevam reações pontuais,não menos agressivas do que as daqueles que promovem o bullying, há um patamar do “justo”. Isso só corrobora a idéia de que estamos nos tornando cada vez mais incapazes de mediar conflitos por outras vias que não a violência “simbólica” e/ou física. Coroar Casey como um herói é simplesmente atestar nossa incapacidade de promover uma discussão séria sobre as consequências sociais e psicológicos de práticas como o bullying, cada vez mais frequentes nos ambientes escolares e de trabalho. Dessa forma estaremos sempre incentivando nos “massacres em realengo”. Como disse Gandhi, parafraseando o código de Hamurabi: “Olho por olho, dente por dente…o mundo acabará cego.

    Deivid Cassiano
    Psicólogo

  • Deivid
    Posted at 14:48h, 15 Abril Responder

    Fico triste em saber como as pessoas elevam reações pontuais,não menos agressivas do que as daqueles que promovem o bullying, há um patamar do “justo”. Isso só corrobora a idéia de que estamos nos tornando cada vez mais incapazes de mediar conflitos por outras vias que não a violência “simbólica” e/ou física. Coroar Casey como um herói é simplesmente atestar nossa incapacidade de promover uma discussão séria sobre as consequências sociais e psicológicos de práticas como o bullying, cada vez mais frequentes nos ambientes escolares e de trabalho. Dessa forma estaremos sempre incentivando nos “massacres em realengo”. Como disse Gandhi, parafraseando o código de Hamurabi: “Olho por olho, dente por dente…o mundo acabará cego.

    Deivid Cassiano
    Psicólogo

  • anonimo
    Posted at 00:51h, 04 julho Responder

    eu sofro bully des dos 5 ate hj tenho 14 e ainda sofro mas nao igual a quando tinha 5 hj elas mi xingao e mas engraçado q eu nunca fiz mal pra ninguem sempre respeito as pessoas el mi desanimei a te nos estudos nao gosto mas de estuda mas meus pai mi necentiva estuda pq cem estudo nao somos nada navida oq mi anima e q confio em deus e que ja ta perto de dezembro mas doi mi tornei uma pessoa solitaria triste posso meu dia todo triste entediado porfavo mi da um conshelo brigado deus te abençoe

    • Elídio Almeida
      Posted at 01:13h, 04 julho Responder

      Olá!
      Bullying é um assunto muito sério, bastante preocupante e que sempre traz prejuízos e preocupações. Posso imaginar o quanto você já sofreu nestes 9 anos que convive com este mal. Gostaria de poder ajudar mais, no entanto, neste momento, fico limitado a saber de ti se compartilha ou já compartilhou seu sofrimento com outras pessoas (seu pai ou a própria escola, por exemplo)? Ou se já tentou alguma ajuda profissional? Em qualquer das circunstâncias nunca vale apena passar por situações assim sozinho, pois é justamente isso que fortalece as pessoas que praticam bullying.

  • anonimo
    Posted at 00:51h, 04 julho Responder

    eu sofro bully des dos 5 ate hj tenho 14 e ainda sofro mas nao igual a quando tinha 5 hj elas mi xingao e mas engraçado q eu nunca fiz mal pra ninguem sempre respeito as pessoas el mi desanimei a te nos estudos nao gosto mas de estuda mas meus pai mi necentiva estuda pq cem estudo nao somos nada navida oq mi anima e q confio em deus e que ja ta perto de dezembro mas doi mi tornei uma pessoa solitaria triste posso meu dia todo triste entediado porfavo mi da um conshelo brigado deus te abençoe

    • Elídio Almeida
      Posted at 01:13h, 04 julho Responder

      Olá!
      Bullying é um assunto muito sério, bastante preocupante e que sempre traz prejuízos e preocupações. Posso imaginar o quanto você já sofreu nestes 9 anos que convive com este mal. Gostaria de poder ajudar mais, no entanto, neste momento, fico limitado a saber de ti se compartilha ou já compartilhou seu sofrimento com outras pessoas (seu pai ou a própria escola, por exemplo)? Ou se já tentou alguma ajuda profissional? Em qualquer das circunstâncias nunca vale apena passar por situações assim sozinho, pois é justamente isso que fortalece as pessoas que praticam bullying.

  • anonimo
    Posted at 00:51h, 04 julho Responder

    eu sofro bully des dos 5 ate hj tenho 14 e ainda sofro mas nao igual a quando tinha 5 hj elas mi xingao e mas engraçado q eu nunca fiz mal pra ninguem sempre respeito as pessoas el mi desanimei a te nos estudos nao gosto mas de estuda mas meus pai mi necentiva estuda pq cem estudo nao somos nada navida oq mi anima e q confio em deus e que ja ta perto de dezembro mas doi mi tornei uma pessoa solitaria triste posso meu dia todo triste entediado porfavo mi da um conshelo brigado deus te abençoe

    • Elídio Almeida
      Posted at 01:13h, 04 julho Responder

      Olá!
      Bullying é um assunto muito sério, bastante preocupante e que sempre traz prejuízos e preocupações. Posso imaginar o quanto você já sofreu nestes 9 anos que convive com este mal. Gostaria de poder ajudar mais, no entanto, neste momento, fico limitado a saber de ti se compartilha ou já compartilhou seu sofrimento com outras pessoas (seu pai ou a própria escola, por exemplo)? Ou se já tentou alguma ajuda profissional? Em qualquer das circunstâncias nunca vale apena passar por situações assim sozinho, pois é justamente isso que fortalece as pessoas que praticam bullying.

  • anonimo
    Posted at 17:33h, 04 julho Responder

    mas nao da tenho vegonha e medo de eles te vegonha de mi um adolecente de 14 que nao sabe lida com avida e difico eu sempre procuro faze o bem pras pessoas mas agora passo meu tempo triste e chorando com medo a te de sai de casa com solidao e nao consigo convessa com niguem meus pais nem sempre liga pros meus sentmentos elis so querem q eu estude mas nunca sentarao pra convessa comigo do que eu sinto nao sempre ocupados com eli mesmo enquanto eu sofro na avida o bully mi destrui mi abalo fez eu mi desacredita no amo e vive na solidao eu encontrei um geitor de alivia minha solidao escrevendo poemas e pesquisador pow pessoas que ja em frentarao o bully doe o coraçao sabe que pessoas te xinga sem vc nunca nem te falado com elas e triste eu gostava de estuda mas peerdi ja mandei minha mae a rranja um psicologo pra mi mas ela fala nada e eu choro deramando minhas lagrimas no teclador sem nemnhu amigo pra pode convessa baixo auto estima porfavo o senho e a unica pessoas que eu to compartilhando isso eu nao aguento mas mi ajuder porfavo na muitas pessoas dizem pra nao liga mas nao dar doi de mas e to com medo de perde de ano tambem as pessoas nao ligam muito pro meu sentimento as vezes finjo q so feliz quando na verdade nao so

    • Elídio Almeida
      Posted at 22:42h, 04 julho Responder

      Olá!

      Tenho recebido suas mensagens e tenho estado preocupado com sua condição. Como falei anteriormente, o ideal é que você busque ajuda, seja na própria escola, com amigos, na sua família ou em outras e se possível uma ajuda profissional. Sei que é chato expor nossos problemas para utras pessoas, mas talvez seja a única maneira delas perceberem o nosso sofrimento. Gostei muito de saber que você tem dado vazão aos seus sentimentos através dos poemas e encontrar pessoas que vivem a mesma realidade que a sua pode ser interessante no intuito de troca de experiências. Minha condição de ajuda de fato é limitada neste molde, mas no que puder ajudar estarei à disposição.
      Um abraço!

      • anonimo
        Posted at 23:25h, 04 julho Responder

        brigador e bom sabe que tenho um amigo pra mi aconselha brigado msm que deus te a bençoe sempre pesquiso em blogs site pra ver exemplos de pessoas da mesma situaçao e mi a livia um pouco sabe dessas pessoas mi a juda e mi entristeçe pq muitas pessoas ficam marcada pro resto da vida os momentos de terro a humilhaçao a solidao o medo da vida e abandonam a vida acham que no mundo nao ar espaço pra elas brigado a amigo

  • anonimo
    Posted at 17:33h, 04 julho Responder

    mas nao da tenho vegonha e medo de eles te vegonha de mi um adolecente de 14 que nao sabe lida com avida e difico eu sempre procuro faze o bem pras pessoas mas agora passo meu tempo triste e chorando com medo a te de sai de casa com solidao e nao consigo convessa com niguem meus pais nem sempre liga pros meus sentmentos elis so querem q eu estude mas nunca sentarao pra convessa comigo do que eu sinto nao sempre ocupados com eli mesmo enquanto eu sofro na avida o bully mi destrui mi abalo fez eu mi desacredita no amo e vive na solidao eu encontrei um geitor de alivia minha solidao escrevendo poemas e pesquisador pow pessoas que ja em frentarao o bully doe o coraçao sabe que pessoas te xinga sem vc nunca nem te falado com elas e triste eu gostava de estuda mas peerdi ja mandei minha mae a rranja um psicologo pra mi mas ela fala nada e eu choro deramando minhas lagrimas no teclador sem nemnhu amigo pra pode convessa baixo auto estima porfavo o senho e a unica pessoas que eu to compartilhando isso eu nao aguento mas mi ajuder porfavo na muitas pessoas dizem pra nao liga mas nao dar doi de mas e to com medo de perde de ano tambem as pessoas nao ligam muito pro meu sentimento as vezes finjo q so feliz quando na verdade nao so

    • Elídio Almeida
      Posted at 22:42h, 04 julho Responder

      Olá!

      Tenho recebido suas mensagens e tenho estado preocupado com sua condição. Como falei anteriormente, o ideal é que você busque ajuda, seja na própria escola, com amigos, na sua família ou em outras e se possível uma ajuda profissional. Sei que é chato expor nossos problemas para utras pessoas, mas talvez seja a única maneira delas perceberem o nosso sofrimento. Gostei muito de saber que você tem dado vazão aos seus sentimentos através dos poemas e encontrar pessoas que vivem a mesma realidade que a sua pode ser interessante no intuito de troca de experiências. Minha condição de ajuda de fato é limitada neste molde, mas no que puder ajudar estarei à disposição.
      Um abraço!

      • anonimo
        Posted at 23:25h, 04 julho Responder

        brigador e bom sabe que tenho um amigo pra mi aconselha brigado msm que deus te a bençoe sempre pesquiso em blogs site pra ver exemplos de pessoas da mesma situaçao e mi a livia um pouco sabe dessas pessoas mi a juda e mi entristeçe pq muitas pessoas ficam marcada pro resto da vida os momentos de terro a humilhaçao a solidao o medo da vida e abandonam a vida acham que no mundo nao ar espaço pra elas brigado a amigo

  • anonimo
    Posted at 17:33h, 04 julho Responder

    mas nao da tenho vegonha e medo de eles te vegonha de mi um adolecente de 14 que nao sabe lida com avida e difico eu sempre procuro faze o bem pras pessoas mas agora passo meu tempo triste e chorando com medo a te de sai de casa com solidao e nao consigo convessa com niguem meus pais nem sempre liga pros meus sentmentos elis so querem q eu estude mas nunca sentarao pra convessa comigo do que eu sinto nao sempre ocupados com eli mesmo enquanto eu sofro na avida o bully mi destrui mi abalo fez eu mi desacredita no amo e vive na solidao eu encontrei um geitor de alivia minha solidao escrevendo poemas e pesquisador pow pessoas que ja em frentarao o bully doe o coraçao sabe que pessoas te xinga sem vc nunca nem te falado com elas e triste eu gostava de estuda mas peerdi ja mandei minha mae a rranja um psicologo pra mi mas ela fala nada e eu choro deramando minhas lagrimas no teclador sem nemnhu amigo pra pode convessa baixo auto estima porfavo o senho e a unica pessoas que eu to compartilhando isso eu nao aguento mas mi ajuder porfavo na muitas pessoas dizem pra nao liga mas nao dar doi de mas e to com medo de perde de ano tambem as pessoas nao ligam muito pro meu sentimento as vezes finjo q so feliz quando na verdade nao so

    • Elídio Almeida
      Posted at 22:42h, 04 julho Responder

      Olá!

      Tenho recebido suas mensagens e tenho estado preocupado com sua condição. Como falei anteriormente, o ideal é que você busque ajuda, seja na própria escola, com amigos, na sua família ou em outras e se possível uma ajuda profissional. Sei que é chato expor nossos problemas para utras pessoas, mas talvez seja a única maneira delas perceberem o nosso sofrimento. Gostei muito de saber que você tem dado vazão aos seus sentimentos através dos poemas e encontrar pessoas que vivem a mesma realidade que a sua pode ser interessante no intuito de troca de experiências. Minha condição de ajuda de fato é limitada neste molde, mas no que puder ajudar estarei à disposição.
      Um abraço!

      • anonimo
        Posted at 23:25h, 04 julho Responder

        brigador e bom sabe que tenho um amigo pra mi aconselha brigado msm que deus te a bençoe sempre pesquiso em blogs site pra ver exemplos de pessoas da mesma situaçao e mi a livia um pouco sabe dessas pessoas mi a juda e mi entristeçe pq muitas pessoas ficam marcada pro resto da vida os momentos de terro a humilhaçao a solidao o medo da vida e abandonam a vida acham que no mundo nao ar espaço pra elas brigado a amigo

  • Elídio Almeida
    Posted at 08:18h, 28 julho Responder

    Olá Ricelle, brigado pelo contato.

    Interessante sua questão e a partir dela posso considerar três aspectos. O primeiro é que a asrtrologia não contempla minha formação e minha prática profissional, por isso não posso opinar sobre seu(s) signo(s). Em segundo, e a partir daqui fico à vontade para abordar a questão, é que achei bastante interessante a tentativa de controle feita por sua mãe, para determinar seu signo e, possivelmente, influenciar na sua personalidade. Isso sim pode ser significativo na sua “personalidade”. Em terceiro, como eu disse no post, nós psicólogos não acreditamos que a “personalidade” não seja determinada pelo signo da pessoa e sim pela sua história de vida atrelada a outros aspectos. Como falei no texto é muito comum que algumas pessoas tenham um determinado signo e não apresente os comportamentos descritos pelo zodíaco, mas em contra partida é cobrada a apresentar comportamentos pertinentes ao signo e viver como tal. Se desejar, poderemos falar mais sobre o tema.

  • Elídio Almeida
    Posted at 08:18h, 28 julho Responder

    Olá Ricelle, brigado pelo contato.

    Interessante sua questão e a partir dela posso considerar três aspectos. O primeiro é que a asrtrologia não contempla minha formação e minha prática profissional, por isso não posso opinar sobre seu(s) signo(s). Em segundo, e a partir daqui fico à vontade para abordar a questão, é que achei bastante interessante a tentativa de controle feita por sua mãe, para determinar seu signo e, possivelmente, influenciar na sua personalidade. Isso sim pode ser significativo na sua “personalidade”. Em terceiro, como eu disse no post, nós psicólogos não acreditamos que a “personalidade” não seja determinada pelo signo da pessoa e sim pela sua história de vida atrelada a outros aspectos. Como falei no texto é muito comum que algumas pessoas tenham um determinado signo e não apresente os comportamentos descritos pelo zodíaco, mas em contra partida é cobrada a apresentar comportamentos pertinentes ao signo e viver como tal. Se desejar, poderemos falar mais sobre o tema.

  • Elídio Almeida
    Posted at 08:18h, 28 julho Responder

    Olá Ricelle, brigado pelo contato.

    Interessante sua questão e a partir dela posso considerar três aspectos. O primeiro é que a asrtrologia não contempla minha formação e minha prática profissional, por isso não posso opinar sobre seu(s) signo(s). Em segundo, e a partir daqui fico à vontade para abordar a questão, é que achei bastante interessante a tentativa de controle feita por sua mãe, para determinar seu signo e, possivelmente, influenciar na sua personalidade. Isso sim pode ser significativo na sua “personalidade”. Em terceiro, como eu disse no post, nós psicólogos não acreditamos que a “personalidade” não seja determinada pelo signo da pessoa e sim pela sua história de vida atrelada a outros aspectos. Como falei no texto é muito comum que algumas pessoas tenham um determinado signo e não apresente os comportamentos descritos pelo zodíaco, mas em contra partida é cobrada a apresentar comportamentos pertinentes ao signo e viver como tal. Se desejar, poderemos falar mais sobre o tema.

  • Saulo Augusto Duarte
    Posted at 14:00h, 28 Maio Responder

    Casey Heynes, é um herói, não importa o que os idiotas defensores do bullying digam sobre ele.

    • Elídio Almeida
      Posted at 14:50h, 28 Maio Responder

      Olá Saulo!

      Obrigado pelo seu comentário. Mas você foi muito agressivo, não acha?

      • Saulo Augusto Duarte
        Posted at 09:11h, 25 agosto Responder

        Sim, Elídio, eu fui um pouco agressivo sim mas eu tenho um motivo: esses bullies gostam de agredir pessoas que não podem se defender e isso é pura covardia. Gostei muito do seu artigo sobre o Casey Heynes.

        • Elídio Almeida
          Posted at 09:27h, 25 agosto Responder

          Olá Saulo, obrigado pelo comentário. A agressão acaba sendo um recurso usado pelo alvo dos bules, porém é pouco eficaz e adequado. Entendo que nem sempre dispomos de outras ferramentas e que não é fácil vivenciar tamanhas hostilidades. Um abraço!

  • Saulo Augusto Duarte
    Posted at 14:00h, 28 Maio Responder

    Casey Heynes, é um herói, não importa o que os idiotas defensores do bullying digam sobre ele.

    • Elídio Almeida
      Posted at 14:50h, 28 Maio Responder

      Olá Saulo!

      Obrigado pelo seu comentário. Mas você foi muito agressivo, não acha?

      • Saulo Augusto Duarte
        Posted at 09:11h, 25 agosto Responder

        Sim, Elídio, eu fui um pouco agressivo sim mas eu tenho um motivo: esses bullies gostam de agredir pessoas que não podem se defender e isso é pura covardia. Gostei muito do seu artigo sobre o Casey Heynes.

        • Elídio Almeida
          Posted at 09:27h, 25 agosto Responder

          Olá Saulo, obrigado pelo comentário. A agressão acaba sendo um recurso usado pelo alvo dos bules, porém é pouco eficaz e adequado. Entendo que nem sempre dispomos de outras ferramentas e que não é fácil vivenciar tamanhas hostilidades. Um abraço!

  • Saulo Augusto Duarte
    Posted at 14:00h, 28 Maio Responder

    Casey Heynes, é um herói, não importa o que os idiotas defensores do bullying digam sobre ele.

    • Elídio Almeida
      Posted at 14:50h, 28 Maio Responder

      Olá Saulo!

      Obrigado pelo seu comentário. Mas você foi muito agressivo, não acha?

      • Saulo Augusto Duarte
        Posted at 09:11h, 25 agosto Responder

        Sim, Elídio, eu fui um pouco agressivo sim mas eu tenho um motivo: esses bullies gostam de agredir pessoas que não podem se defender e isso é pura covardia. Gostei muito do seu artigo sobre o Casey Heynes.

        • Elídio Almeida
          Posted at 09:27h, 25 agosto Responder

          Olá Saulo, obrigado pelo comentário. A agressão acaba sendo um recurso usado pelo alvo dos bules, porém é pouco eficaz e adequado. Entendo que nem sempre dispomos de outras ferramentas e que não é fácil vivenciar tamanhas hostilidades. Um abraço!

Deixe uma resposta