tratamento-para-pessoa-viciada-em-televisão-mudar-de-comportamento

Como mudar de comportamento?

É muito comum encontrarmos pessoas com o seguinte repertório comportamental: durante a semana o trabalho consome todo o tempo possível e quando chega o final de semana não conseguem sair de frente da televisão ou do computador, seja na tentativa de se divertir ou por não conseguir outra forma de passar o tempo. Mudar esse comportamento não é fácil. Essa fixação com a televisão ou com o computador é tamanha que muitas pessoas não conseguem fazer outra coisa fora de casa, o que pode causar vários transtornos.

Quando isso acontece, o relacionamento com outras pessoas pode diminuir, sintomas de depressão podem se instalar e a pessoa pode perder o ânimo para sair de casa. Embora possa existir muita vontade de mudar de comportamento e mudar o estilo de vida, as pessoas encontram muitas dificuldades para enfrentar essa situação.

psicoterapia-comportamental-em-salvador-com-o-psicólogo-elídio-Almeida-1

Mudar de comportamento

Mas, afinal, o que precisamos fazer para mudar nosso comportamento e, consequentemente, nosso estilo de vida? Penso que uma resposta para perguntas como essas não é nada fácil, mas vou tentar explicar a partir de um princípio fundamental para a análise do comportamento: Só mudamos o contexto em que vivemos quando emitimos novos comportamentos, ou seja, para mudar precisamos incluir novos comportamentos em nosso modo de viver. Fazendo coisas diferentes do habitual podemos encontrar novas formas de solucionar os problemas e obter novos resultados.

Comportamento-sedentário-mudança de comportamento com ajuda de psicólogo

Obviamente que sei que não é difícil deixar para trás hábitos antigos e que já fazem parte do jeito de viver de cada um. Sei também que sair de casa em dias como os de hoje nos leva a pensar uma série de fatores como: gastar dinheiro, medo de ser assaltado, enfrentar filas, engarrafamento, dificuldade de estacionamento, o cansaço… emfim, vários fatores nos dão a falsa impressão de que é melhor ficar em casa. Quando isso acontece, acabamos pagando um preço muito maior no futuro, pois limitamos nossas opções de diversão, deixamos de sair com as pessoas que gostamos, não conhecemos novos amigos, nem novas possibilidades de relacionamento.

tratamento psicológico mudança de comportamento

Por isso, creio que se quisermos mudar nosso jeito de viver, devemos fazer coisas diferentes. Então, quando surgir uma possibilidade de ficar na frente de uma telinha, que tal visitar amigos que você tanto gosta? Combinar um cinema ou um teatro? Ir a um show de um artista que você gosta? Uma praia? Sair pra dar uma volta? Se você pensar um pouco, logo logo vai lembrar de várias coisas que podem ser feitas com baixo investimento e alta possibilidade de lhe proporcionar satisfação e prazer. Ou seja, você deve visar outros ganhos que não aqueles obtidos na sua zona de conforto. Experimente! Mas, se sentir qualquer dificuldade, não hesite em pedir ajuda.

 

Dr. Elídio Almeida
Psicólogo | CRP 03/6773
(71) 98842-7744 Salvador – Bahia
elidioalmeida.com

Elídio Almeida
elidio@elidioalmeida.com

Psicólogo formado pela Universidade Federal da Bahia – Ufba, especialista em Terapia de Casal & Família, membro da Association for Behavior Analysis International (ABAI). Psicólogo clínico, faz atendimento individual, para casais e famílias. Oferece cursos de desenvolvimento pessoal, palestras, orientação vocacional e avaliação psicológica.

No Comments
  • Lygia Canelas
    Posted at 10:19h, 27 novembro Responder

    Gostei muito da matéria. Concordo com isso, nos acomodamos na facilidade da tv e do computador devido ao cansaço físico e mental. Eu tive um professor de teatro que disse uma vez que depois de fazermos um longo esforço em alguma atividade, qualquer uma, quando estamos chegando no ápice do cansaço tendemos a desabar, mas se insistirmos em continuar o corpo libera uma dose extra de energia que ficou guardada e então descobrimos que podíamos mais. Isso alonga nossa capacidade. Não estou dizendo que devemos trabalhar mais, estou dizendo que mesmo cansados da rotina da semana, podemos fazer mais por nós mesmos nas horas vagas. Eu adoro ficar em casa, tenho um pouco de mania de não gostar de sair. Mas preencho meu tempo com artesanato, gosto de brincar com cachorros, de visitar as pessoas mais próximas apenas. Gosto de ler e escrever, ouvir música, isso me preenche normalmente. Mas eu tenho mesmo uma certa fobia de pensar em sair à noite, de ir a um show, de passar nervoso, de gastar, me sinto mal em lugares cheios…

  • Lygia Canelas
    Posted at 10:19h, 27 novembro Responder

    Gostei muito da matéria. Concordo com isso, nos acomodamos na facilidade da tv e do computador devido ao cansaço físico e mental. Eu tive um professor de teatro que disse uma vez que depois de fazermos um longo esforço em alguma atividade, qualquer uma, quando estamos chegando no ápice do cansaço tendemos a desabar, mas se insistirmos em continuar o corpo libera uma dose extra de energia que ficou guardada e então descobrimos que podíamos mais. Isso alonga nossa capacidade. Não estou dizendo que devemos trabalhar mais, estou dizendo que mesmo cansados da rotina da semana, podemos fazer mais por nós mesmos nas horas vagas. Eu adoro ficar em casa, tenho um pouco de mania de não gostar de sair. Mas preencho meu tempo com artesanato, gosto de brincar com cachorros, de visitar as pessoas mais próximas apenas. Gosto de ler e escrever, ouvir música, isso me preenche normalmente. Mas eu tenho mesmo uma certa fobia de pensar em sair à noite, de ir a um show, de passar nervoso, de gastar, me sinto mal em lugares cheios…

  • Lygia Canelas
    Posted at 10:19h, 27 novembro Responder

    Gostei muito da matéria. Concordo com isso, nos acomodamos na facilidade da tv e do computador devido ao cansaço físico e mental. Eu tive um professor de teatro que disse uma vez que depois de fazermos um longo esforço em alguma atividade, qualquer uma, quando estamos chegando no ápice do cansaço tendemos a desabar, mas se insistirmos em continuar o corpo libera uma dose extra de energia que ficou guardada e então descobrimos que podíamos mais. Isso alonga nossa capacidade. Não estou dizendo que devemos trabalhar mais, estou dizendo que mesmo cansados da rotina da semana, podemos fazer mais por nós mesmos nas horas vagas. Eu adoro ficar em casa, tenho um pouco de mania de não gostar de sair. Mas preencho meu tempo com artesanato, gosto de brincar com cachorros, de visitar as pessoas mais próximas apenas. Gosto de ler e escrever, ouvir música, isso me preenche normalmente. Mas eu tenho mesmo uma certa fobia de pensar em sair à noite, de ir a um show, de passar nervoso, de gastar, me sinto mal em lugares cheios…

Deixe uma resposta